Introdução à análise técnica – para leigos e não iniciados – parte 1

 

new-york-2007858_640

Anteriormente, vimos alguns aspectos que devemos nos atentar ao escolher investir numa determinada empresa. Estudar os balanços, liquidez corrente, receitas e outros dados sem sombra de duvida é algo que qualquer pessoa deve se atentar quando seu interesse é em associar seu capital à uma empresa. Afinal, quem quer investir num mal negócio? Mas esta não é a única forma de olhar para uma determinada empresa. Sinceramente, o que me fascina no mercado financeiro é o fato de que todos podem estar certos e errados ao mesmo tempo.

 

Podemos, por exemplo, analisar uma determinada empresa e calcular que o preço de equilibrio de suas ações são R$ 20,00 e que hoje a cotação está em R$ 10,00. É completamente correto comprar esses papeis na expectativa de então dobrar o seu dinheiro investido. O primeiro ponto que quero levantar sobre o assunto de hoje é o tempo. Se eu soubesse em quanto tempo o preço alcançaria seu preço de equilibrio, provavelmente estaria milionário agora, mas isso é algo impossivel de se conhecer. Investimentos, acima de todos os outros fatores, contam com a influência do ser humano. O que quero mostrar é que o percurso para o preço chegar no seu alvo é um caminho tortuoso, de sobe e desce. E o que acontece é que diferentes tipos de investidores se aproveitam das diferentes curvas que o caminho oferece.

 

A análise técnica surgiu a partir da observação que comportamentos humanos tendem a se repitir e que investidores tendem a acreditar que determinados efeitos serão repetidos a partir de um determinado gatilho. De forma conceitual, a análise técnica pode ser definida com o estudo do comportamento dos preços projetados em forma grafica. A análise técnica, portanto, se constitui como outra forma de você, investidor, escolher suas empresas para investir. O curioso é que aqui não se estuda o balanço de uma empresa, mas sim os sinais graficos que tendem gerar repetições de preços devido o comportamento humano.

 

Vamos conceituar o tipo de gráfico mais utilizado pelos analistas técnicos: O candlestick.

O grafico de candlestick surgiu no japão em 1850 e o que precisa ser entendido hoje é que cada vela  é criada num intervalo de tempo e tem um preço de abertura. Esse preço movimenta atingindo um preço maximo que pode terminar neste pico ou pode atingir o maximo e voltar a cair, produzindo o preço de fechamento, preço maximo e preço minimo. Escolher então qual ação comprar será um processo de estudar o gráfico, traçar os pontos que podem oferecer resistencias em serem ultrapassados e então verificar se é viavel ou não a compra da ação.

 

No próximo post será detalhado mais alguns pontos sobre os gráficos de candlesticks.

post criado por Erick Sabino.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: